Notícia - 30/10/14 (18:27:18) Moradores de Jundiaí contam histórias sobre a ´Ponte Torta´
O primeiro dia de gravações de depoimentos aconteceu na sexta-feira (31), no Paço Municipal

Para a aposentada Maria Felisberto, a Ponte Torta era uma parte do caminho usado para levar o almoço desde o Anhangabaú, onde morava, até a Vila Arens, onde familiares trabalhavam na Fábrica São Bento. Para o casal Maria Tercília Espadone e Waldomiro José Imperato, era parte da vida cotidiana de quem residia na região do atual Vianelo. E ainda houve quem citou o uso dela para jogar bola no Industrial, para encontrar a garapa com abacaxi, inspirar uma marca de cachaça popular ou até para alimentar os peixes do rio Guapeva.

O primeiro dia de gravações de depoimentos para o projeto de Ações de Conservação e Zeladoria da Ponte Torta, que a Prefeitura de Jundiaí iniciou com o Estúdio Sarasá, contou com diversos moradores na sexta-feira (31), no térreo do Paço Municipal.

Outros dias já estão marcados, sempre nas tardes de sexta-feira de novembro, para os dias 7 (Biblioteca), 14 (Solar), 21 (Ponte Torta) e 28 (Nove de Julho x Luiz Latorre), sendo as duas últimas datas com uma carreta móvel. Os trabalhos são abertos, mas um grupo de interessados vai acompanhar todas as ações como um “curso livre” de zeladoria até fevereiro.

De acordo com o secretário interino de Planejamento e Meio Ambiente, Décio Luiz Pinheiro Pradella, o início se mostra “muito promissor” e as intervenções na área da Ponte Torta devem acontecer dentro desse processo de envolvimento de moradores da cidade.

“Trabalhamos há muitos anos com restauração, mas percebemos que isso não funciona sem atribuição de valor por parte da comunidade”, afirma o coordenador Toninho Sarasá.

História - As ações usam o tijolo como símbolo das técnicas construtivas trazidas por imigrantes do século 19 e também como símbolo de que cada família representa uma peça nessa história. No dia 7, esse encontro vai abordar também o “ato de zelar” (de onde vem o nome zeladoria). Já no dia 14 é esperada uma vivência da chamada “paisagem cultural”, a partir do Centro. Sempre a partir das 14h.

Outros profissionais que também gravaram no primeiro dia de filmagens - que poderão ser usadas em futuros programas de educação patrimonial - foram o arquiteto Roberto Franco Bueno, o engenheiro químico Flávio Gramolelli Júnior e o colunista e produtor cultural Picoco Bárbaro, entre outros.

Na parte física, o projeto está detalhando um futuro mirante (ou belvedere) voltado para a Ponte Torta e com uma máscara sobre a imagem atual mostrando como era essa paisagem no passado. E, claro, a limpeza e higienização do monumento.

Fonte: PMJ


Imprimir Versão para impressão         Enviar Enviar a alguém         Comentar Comentar
     Mais Notícias   
    17/10 07:59 - MP pede afastamento do ministro da Saúde, Ricardo Barros
    17/10 07:57 - Prefeitura de Cabreúva abre inscrição para concurso público
    17/10 07:57 - Peama fica em quarto no Paulista de Goalball
    17/10 07:54 - Atletismo de Jundiaí participa de etapa no Ibirapuera
    17/10 07:53 - Fifa divulga ranking atualizado de seleções
    17/10 07:53 - Mais de 11 mil pessoas já foram vacinadas em Várzea Paulista
    17/10 07:50 - Santos decepciona e não consegue se aproximar do líder
    17/10 07:46 - Polícia descobre fábrica de armas em casa na grande SP
    17/10 07:44 - Motorista de ônibus é flagrado fazendo selfie em movimento
    17/10 07:42 - Santander é campeão em reclamações
    17/10 07:41 - Mochila suspeita mobiliza a Guarda no Paço Municipal
    17/10 07:41 - Carro bate contra muro na Vila Rami
    17/10 07:40 - Rapaz morre afogado após cair de jet-sky em Atibaia
    17/10 07:39 - Associação de Supermercados decide não processar governo
    17/10 07:38 - Senador pede ao Supremo que impeça votação secreta