Notícia - 13/02/15 (22:13:56) Governo nega confisco de poupança e aplicações financeiras
Ministério disse que informações que circulam pelas redes sociais sobre o assunto são falsas

O Ministério da Fazenda descartou, na sexta-feira (13), qualquer intenção de confiscar a poupança ou outras aplicações financeiras. Em nota, a pasta qualificou de falsas as informações que circulam na mídia social sobre o assunto.

“Tais informações são totalmente desprovidas de fundamento, não se conformando com a política econômica de transparência e a valorização do aumento da taxa de poupança de nossa sociedade, promovida pelo governo, através do Ministério da Fazenda”, destacou o comunicado.

De acordo com o ministério, foi detectado um volume expressivo de troca de mensagens, principalmente no aplicativo Whatsapp, dando conta do confisco de aplicações financeiras. Isso motivou a emissão da nota oficial.

Fonte: Da Agência Brasil


Imprimir Versão para impressão         Enviar Enviar a alguém         Comentar Comentar
     Mais Notícias   
    14/12 19:16 - São Camilo ganha primeira praça pública com Wi-Fi gratis
    14/12 19:11 - Empresa de paletes de madeira pega fogo em Jundiaí
    14/12 19:07 - Após cirurgia, Temer adia viagem ao Sudeste Asiático
    14/12 19:04 -  Bolsonaro afirma que dará “carta branca para PM matar
    14/12 18:47 - Banco Central estuda redução de juros no cartão de débito
    14/12 18:44 - Colisão entre trem e ônibus escolar deixa mortos e feridos
    14/12 18:39 - Ex-Jogador Ronaldinho será candidato ao Senado pelo PEN
    14/12 18:34 - Orçamento de 2018 é aprovado com previsão de R$3,57 trilhões
    14/12 18:20 - Votação da reforma da Previdência será em 18 de fevereiro
    14/12 18:15 - Drone vira caso de polícia em Jundiaí
    14/12 10:51 - Esporte e Lazer comemora 362 anos de Jundiaí
    14/12 10:46 - Funcionários de hospitais pedem socorro no Rio de Janeiro
    14/12 10:44 - Equipe de Jundiaí disputa Pró Atletismo
    14/12 10:40 - Sérgio Reis canta no Parque da Cidade no domingo
    14/12 10:39 - Rede estadual paulista está atrás de cinco estados