Notícia - 09/01/16 (22:45:53) Supremo autoriza quebra dos sigilos de Edison Lobão
Também permitiu a quebra dos sigilos de André Serwy, suposto operador do senador

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra dos sigilos fiscal e bancário do senador Edison Lobão (PMDB-MA) englobando o período de 2011 a 2015. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do STF.

A quebra dos sigilos foi solicitada pela Polícia Federal e concedida em 10 de dezembro de 2015, antes do início do recesso do Judiciário. Zavascki também permitiu a quebra dos sigilos de André Serwy, suposto operador do senador, e de empresas ligadas ao senador.

Ex-ministro de Minas e Energia, Lobão é investigado no âmbito da Operação Lava Jato por suposto recebimento de propina nas obras da usina nuclear de Angra 3.

Ao G1, o advogado de Lobão, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que o senador já tinha colocado os sigilos à disposição da Justiça.

Na realidade, o próprio ministro colocou à disposição da Polícia Federal e do Ministério Público, quando foi depor, o seu sigilo fiscal e todos os demais. Esta determinação não nos surpreende e está ao encontro do que ele próprio propôs como senador da República, afirmou o advogado.

Em depoimento sob delação premiada concedido em maio do ano passado aos investigadores da Lava Jato, o dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, disse que, na época em que Lobão era ministro, pagou a ele R$ 1 milhão, a fim de que o consórcio integrado pela UTC obtivesse o contrato de parte da obra da usina de Angra 3.

O funcionamento da usina Angra 3 está previsto para ter início em 2018. O custo total da obra é de mais de R$ 15 bilhões.

Segundo a delação premiada de Pessoa, Lobão indicou André Serwy para receber o dinheiro em nome dele. De acordo com investigadores da Lava Jato, Lobão tinha uma relação de proximidade com a família de Serwy, que o chamava de meu tio.

Na delação, Pessoa afirmou que Lobão tinha pressa em agilizar a assinatura do contrato das obras de Angra 3 antes das eleições de 2014, porque, segundo o empreiteiro, o então ministro queria obter das empresas ganhadoras contribuições de campanha para o PMDB.

Pessoa afirmou que, em encontro com o ministro, Lobão teria dito: Temos que assinar esse contrato, porque o PMDB está precisando de dinheiro para campanha.

O ex-ministro, ainda segundo o depoimento do empreiteiro, sugeriu um percentual de propina de 1% a 2% do valor do contrato.

Fonte: G1


Imprimir Versão para impressão         Enviar Enviar a alguém         Comentar Comentar
     Mais Notícias   
    15/12 23:27 - Garotinho anuncia greve de fome por suposta perseguição
    15/12 22:49 - TJ-SP investiga contratação de comissionados na Prefeitura
    15/12 19:17 - Agita Jundiaí encerra atividades do ano neste domingo
    15/12 19:15 - Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões neste sábado
    15/12 19:14 - Linhas que atendem faculdades são suspensas nas férias
    15/12 19:09 - Comitê da Fifa suspende Marco Polo Del Nero por 90 dias
    15/12 19:07 - Toffoli envia acordo sobre planos econômicos para a PGR
    15/12 18:59 - Diretor da PF entrega relatório sobre ministros ao STF
    15/12 12:15 - Prefeito de Jundiaí faz balanço das atividades em 2017
    15/12 12:13 - Prefeito de Várzea Paulista faz balanço das atividades
    15/12 12:11 - Prefeito de Louveira faz balanço das atividades em 2017
    15/12 10:08 - PCC quer aumentar número de filiados
    15/12 10:06 - Mutirão da biometria termina neste sábado
    15/12 10:04 - Linha de ônibus do Eloy Chaves sofre ateração
    15/12 10:03 - Receita Federal paga último lote de restituições