Notícia - 03/09/16 (04:45:18) MPF decide incluir Dilma em investigação por improbidade
Ex-presidente deverá ser ouvida em breve

O Ministério Público Federal (MPF) no Distrito Federal resolveu incluir a ex-presidente Dilma Rousseff no inquérito civil aberto para investigar se houve prática de improbidade administrativa nas chamadas pedaladas fiscais de 2014. O caso está com o procurador da República Ivan Cláudio Marx, que não podia investigar Dilma em razão do cargo que ela ocupava. Com o impeachment, essa barreira não existe mais. Dilma deverá ser ouvida em breve.

A decisão de incluir Dilma na investigação foi divulgada pela revista Istoé e confirmada pelo GLOBO. A partir dessa investigação, o MPF pode decidir propor uma ação na Justiça ou então arquivá-la.

As pedaladas são as manobras fiscais que consistiam no atraso de repasses a bancos públicos responsáveis por operar os pagamentos de programas sociais. Assim as instituições financeiras eram obrigadas a usar seus próprios recursos. Isso foi entendido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) como uma operação de crédito de um banco público para o governo, o que é proibido por lei.

Em julho, Marx arquivou a investigação criminal sobre as pedaladas de 2014, mas deu continuidade ao inquérito civil por entender que houve improbidade. Até agora, a investigação envolvia ministros, servidores e diretores de bancos públicos que trabalharam com Dilma, mas não a ex-presidente.

Na semana passada, o MPF reagiu às declarações de senadores aliados de Dilma na sessão de julgamento do processo de impeachment. Eles usaram um documento de Ivan Marx para dizer que Dilma não tinha culpa pelas pedaladas. O MPF, porém, rebateu, destacando que em momento nenhum tinha investigado Dilma.

Na ocasião, apesar de ter confirmado que houve pedido de arquivamento por inexistência de crime, o MPF ressaltou que foi apontada a ocorrência de improbidade administrativa. Disse ainda que investigou atos ocorridos até 2014. Em relação a 2015, o MPF também concluiu pela inexistência de crime, mas segue apurando se houve ou não improbidade administrativa.

No processo de impeachment, Dilma foi acusada de pedaladas fiscais ocorridas em 2015, relativas ao Plano Safra, e não as de 2014. Ela atrasou repasse de recursos ao Banco do Brasil, responsável por fazer os pagamentos do programa. Dilma também respondeu ao processo de impeachment por ter editado créditos suplementares sem autorização do Congresso.

Fonte: O Globo


Imprimir Versão para impressão         Enviar Enviar a alguém         Comentar Comentar
     Mais Notícias   
    19/10 19:19 - Posto avançado no Parque da Uva vai até quarta-feira (25)
    19/10 19:11 - Cachorro mata gato que levava celulares para presídio da PB
    19/10 19:09 - País abre 34,3 mil vagas formais de trabalho
    19/10 17:59 - Impulsionada pelo Refis, arrecadação sobe 8,6% em setembro
    19/10 10:35 - Ladrões uniformizados roubam mulher na Vila Progresso
    19/10 10:34 - Polícia procura ladrões de loja em Itupeva
    19/10 10:32 - Acidente deixa dois feridos no Centro de Jundiaí
    19/10 10:31 - Bandidos deixam Cajamar sem celular
    19/10 10:30 - Carro é prensado por ônibus na Avenida Jundiaí
    19/10 10:29 - Incêndios em matas continuam na região de Jundiaí
    19/10 10:25 - Kombi pega fogo e chamas atingem a Serra do Japi em Jundiaí
    19/10 10:23 - Mulher tenta sacar R$ 9 mil com documentos falsos em Jarinu
    19/10 10:12 - Pagamento do PIS/Pasep tem início nesta quinta
    19/10 10:11 - Bombeiros fazem resgate de cães durante incêndio
    19/10 10:09 - Deputado é a favor de aumento nos planos de saúde